domingo, 3 de junho de 2012

Sobre a minha rotina de tratamento

 
Muitas das meninas que leem o blog me perguntam sobre meus produtos favoritos e como eu os utilizo. As dicas que venho dando aqui, de alguma maneira, são partes separadas e detalhadas da minha rotina de tratamento capilar. Mas justamente por causa disso, pode parecer complicado montar o quebra cabeça e entender onde cada uma delas se encaixa. Por esta razão, esta postagem será dedicada a fazer um apanhado do meu sistema de cuidados com os cabelos. Antes de falar deles, acho legal responder a algumas perguntas:
Como cheguei a esta rotina de tratamento?
Através de tentativa e erro e um pouco de pesquisa (tanto na internet quanto no “boca a boca”). Minha rotina capilar não é do jeito que é hoje desde sempre: eu quebrei muito a cara (e os fios!) até chegar a um conjunto de procedimentos que atendessem às necessidades do meu cabelo.
Desde que tirei as tranças soltas com aplique nunca mais utilizei nenhum tipo de relaxante ou alisante nos cabelos. Ainda assim, eles eram naturais mas não eram indestrutíveis: com os cuidados incorretos eles se danificavam e necessitavam de cortes constantes.
No fim das contas, os erros foram necessários e de certa forma até benéficos: se não tivesse feito tantas experimentações, talvez estivesse presa a uma rotina meia-boca, que me fizesse acreditar que meu cabelo tinha, de fato, restrições em termos de crescimento e definição.
Acho muito bom também destacar o papel importantíssimo da pesquisa virtual. Ler sobre a rotina de cuidados de outras meninas me deu várias ideias, que, mesmo que não pudesse implantá-las exatamente do jeito que eram descritas, me possibilitaram fazer adaptações e até mesmo criar novas formas de proceder, a partir delas.


Quanto tempo leva pra perceber os efeitos positivos no cabelo?
A partir do momento em que você descobre uma rotina capilar para chamar de sua, os resultados são percebidos a curto, médio e longo prazo. Em curto prazo, você pode notar uma melhora na maleabilidade e na hidratação – a sensação que se tem é de cabelo menos “palha”, mais macio. Em médio prazo, com certeza haverá uma melhora na definição, no brilho e na resistência. Finalmente, em longo prazo, você perceberá o crescimento.
Existem pessoas diferentes, cabelos diferentes e objetivos diferentes. Pra algumas, definição pode não ser um ponto fundamental – estas podem se ater aos produtos que tratem os fios da melhor forma, e que não necessariamente lhes dê definição de cachos, por exemplo. As que procuram justamente a definição talvez necessitem de uma caminhada mais trabalhosa, até achar os produtos e técnicas que forneçam tanto o tratamento que o cabelo necessita quanto a aparência que se deseja. E as que buscam crescimento precisam fazer escolhas hoje pensando sempre no amanhã: se tudo o que há no meio externo pode causar algum grau de dano aos fios, o objetivo deve ser reduzir ao máximo esses danos, ainda que para isso seja necessário algum sacrifício estético (usar o cabelo preso a maior parte do tempo, por exemplo).

Como saber que caminho seguir quando uma rotina não dá mais certo?
Antes de tudo, é preciso observar os seus fios e a reação deles diante dos produtos e técnicas que você costuma usar e que agora não estão mais trazendo os resultados esperados. Seu cabelo está quebrando porque está elástico? Talvez seja necessário uma reconstrução ou um tratamento com proteínas. Seu cabelo está ressecado, perdendo cachos? Talvez seja caso de procurar produtos hidratantes mais potentes. Ele está indefinido, com aspecto de algodão, mas não está ressecado? Invente uma forma de acrescentar óleos vegetais nos seus tratamentos. As pontas estão “desfiadas” (os fios não se prendem uns aos outros em forma de cacho)? Elas podem estar sofrendo com atrito e danos externos – penteados protetores podem ser úteis para dar um descanso aos fios. Já fez isso tudo e não deu certo? Pode ser que os cabelos precisem nada mais nada menos do que um bom corte, para retirar as pontas envelhecidas e danificadas.

Minha rotina
Eu optei por fazer uma rotina semanal por algumas razões. A principal delas é que eu não tenho tempo, durante a semana, de fazer todo o procedimento de lavar e estilizar os fios (gasto mais ou menos umas duas horas fazendo isso). E além deste motivo, preciso dizer também que sou adepta da baixa manipulação, ou seja, quanto menos eu mexer no meu cabelo, melhor para a integridade dele. Minha rotina também é adaptada ao low poo, ou seja, uso xampus sem sulfatos e condicionadores sem silicones insolúveis ou muito aderentes aos fios.

Lavo os fios uma vez na semana com xampu (eventualmente revezo com co-wash, quando acho que o couro não está tão sujo ou que os fios estão mais ressecados). O xampu que uso atualmente é o de Castanha do Brasil, da linha Amazônia Preciosa da Surya. O co-wash eu tenho feito com a Máscara Banho de Gelo da Haskell. Ela é uma máscara antirresíduos que limpa muito bem o couro cabeludo. Em qualquer uma das lavagens, eu sempre divido meu cabelo em seções e trabalho com uma de cada vez, aplicando o produto na raiz, esfregando e enxaguando em seguida, para passar à próxima seção e repetir o procedimento. Sempre que termino uma seção, enrolo em um coquinho e prendo cada um com um clipe de cabelo.


Após a lavagem, eu seco meus fios, ainda nos coquinhos, com uma toalha comum. Não importa que seja toalha felpuda comum porque os cabelos estão presos e eu ainda vou estilizá-los, ou seja, frizz não é um problema neste momento. Eu retiro o excesso de água para poder saturar meus fios com a misturinha de água + pantenol + glicerina, que ponho em um borrifador e distribuo pelo meu couro cabeludo, comprimento e pontas dos cabelos. Esse é o meu passo “L” do método LOC
Depois de 15 minutos, eu aplico óleo no couro e fios, dando atenção especial às pontas. Tenho notado que com o uso mais constante de pantenol no couro, o uso de óleos para combater a descamação não tem sido mais tão necessário. Logo, já não é mais sempre que aplico óleo no couro cabeludo – ele fica mais restrito ao comprimento e pontas, para selar a hidratação fornecida pela misturinha de água + pantenol (esta é a descrição do “O” do método LOC nos meus fios). Meus óleos favoritos para o couro são óleo de rícino, jojoba e eucalipto. Todos eles têm propriedades regeneradoras, antifúngicas, antibacterianas e de combate a dermatites. O óleo de rícino, especialmente, fortalece os fios, dando mais corpo. Por isso e pela sua textura mais viscosa, ele também é um perfeito selante da hidratação.

Mistura e diluição de pantenol e glicerina em água

Finalmente, depois disso, com meu cabelo sempre dividido em seções, eu desembaraço com os dedos ou com um pente e estilizo meus cachos seguindo o método da Teri LaFlesh. Os condicionadores que uso são vários. Garnier Fructis Óleo Reparação, Elsève Arginina, Elsève Liss Intense Extreme são alguns dos meus favoritos. Todos esses são encontrados em farmácias e mercados. Também já utilizei o Hydrathèrapie, da linha Biolage da Matrix, com bastante sucesso, embora hoje em dia não o utilize mais. Sempre misturo ao condicionador algum outro óleo vegetal – de preferência um mais fininho e de fácil absorção, como argan ou macadâmia, especialmente quando opto pelo óleo de rícino no passo anterior. Como meu cabelo já tem óleo neste momento, eu procuro não exagerar no óleo misturado ao condicionador e opto por utilizar algumas gotas apenas. E este, por fim, é o meu “C” do método LOC
Para secar, eu sempre prefiro fazê-lo ao natural. Quando isso não é possível, utilizo o secador na velocidade mais baixa, a uma distância de uns 20 centímetros dos fios. Devo dizer que não tenho difusor, por isso opto pela distância maior – assim, só o calor e não o jato de ar propriamente dito atinge meus fios. Seco por partes, começando a direcionar o secador de baixo para cima, a partir do meu pescoço – eu o utilizo como se fosse secar minhas orelhas de baixo para cima, encostando o aparelho no meu peito. Faço isso cinco minutos de cada lado e depois mais cinco minutos com o jato direcionado de cima pra baixo, voltado para o topo da minha cabeça, pra secar a minha “coroa”.

Eu dificilmente seco o cabelo 100% e também nunca começo a secar o cabelo extremamente molhado: é sempre bom esperar o máximo de tempo que der antes de começar a secar e, depois de secar, dar mais algum tempo para o cabelo “assentar” e terminar de secar sozinho. Veja que secar as pontas não é o meu objetivo: o tempo todo eu tento voltar o secador mais para a raiz, mas sem ter que mexer muito no cabelo para que ele não perca definição.
Depois de seco, eu prendo em um coque, que permanecerá durante toda a semana como meu penteado protetor ou, se quiser usar solto no dia seguinte, prendo em banding. Na hora de dormir, nunca abandono meu lenço de tecido sintético, que evita frizz e protege os fios do atrito com o travesseiro.

E os tratamentos profundos?
Devo confessar que não faço tantos tratamentos profundos quanto gostaria e deveria, simplesmente porque eu tenho preguiça e pouco tempo disponível. Quanto consigo fazer, gosto das máscaras Relaxima, da Matrix, Absolut Repair, da L’Orèal e Masquintense, da Kérastase. Esta última contém proteínas e uso mais raramente mesmo porque sou mais cautelosa com tratamentos reconstrutores. Na verdade, estou em busca de um bom creme para reconstrução, mas ainda não encontrei o ideal (apesar de ter gostado muito do resultado da Masquintense). Por isso, sigo na tentativa e erro...

E a tesoura?
Desde 2008, quando comecei a rever minha rotina de tratamento capilar, eu não corto os cabelos. Ter tomado as medidas corretas poupou meus fios de muitos danos e recuperou, em parte, os que já existiam. Mas como não há como recuperar 100% um fio – uma vez danificado, sempre danificado - sinto que se aproxima o momento de eles se reencontrarem com a tesoura. Mas isso é assunto para uma próxima postagem...

Expor o passo a passo da minha rotina pode inspirar você a repensar a sua. De forma alguma os procedimentos que eu faço são os definitivos, os corretos para qualquer cabelo! Antes de tudo, podem dar uma noção do que fazer e do que não fazer nos seus. Depois disso, o resto é com você: para nosso autoconhecimento capilar, não há nada como a experimentação.

40 comentários:

  1. Nica, valeu por revelar-nos tua rotina de tratamento capilar. Quanto ao shampoo esse que vc está usando, já procurei eem varias lojas onde moro e em lojas virtuais e nao encontro, vc pode me informar onde tens comprado.
    Quanto aos condicionadore que citou (Garnier Fructis Óleo Reparação, Elsève Arginina, Elsève Liss Intense Extreme) vc usa como leave in?
    Quanto às mascara, tenho visto em alguns site que aconselha usar rotina de hidratação, nutrição e recontrução, vc segue essa rotina?
    Outros até indica começar a transição usando produtos DEVA, com tanta informação fico meio confusa como começar.
    Não repare tanta pergunta, é porque quero começar minha transição, mas certa do que devo usar.

    Abraço...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu compro Surya pela loja virtual do Wal-Mart, mas existem outras lojas também. Os condicionadores eu uso como leave-in e não sigo rotina de HNR porque, como falei no post, sou meio preguiçosa pra isso, rs
      No inicio é assim mesmo. Experimente algumas rotinas por um tempo e vá observando os resultados. Você vai encontrar o seu jeitinho!
      Bjos

      Excluir
  2. Eu acho lindo o seu cabelo, to tentando deixar o meu parecido. Valew as dicas, precisamos muito de pessoas assim como vc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kefinha, obrigada!!!
      Nossos cabelos, todos, são lindos! :)
      Bjos e obrigada pela visita

      Excluir
  3. Nica que legal saber sobre sua rotina atual, isso vai me ajudar muito em minha transição capilar. Agora quero tanto saber aonde vc compra o xampu surya amazonia preciosa castanha do pará, já tentei encontrar em tanta loja virtual e nada...

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adeilde, eu comprava no site do Wal Mart. :)
      Bjos!

      Excluir
  4. Que cachinhos lindos. O meio do meu cabelo tem uns cachinhos assim, mas não dá pra ver direito ainda, kkkkk.
    Beijão e obrigada pelas dicas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Muleka!
      Daqui a ppouco seus cachinhos aparecem, pode apostar! :)
      Bjos!

      Excluir
  5. Adorei Nica! Muito bom! Gostei de ver que gostamos dos mesmos óleos rsrs...Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Nica, legal a sua rotina, é interessante a gente perceber que com o tempo já pode diminuir o uso de certos produtos...
    Pra reconstrução vc já pensou em comprar as proteínas na SG pra turbinar máscaras simples?
    Eu tb não sigo HNR... Nunca senti a necessidade.
    Bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já pensei e já comprei, mas o correio sumiu com a minha entrega e até agora nada de proteína :(
      Bjão, Amanda, obrigada pela visita!

      Excluir
  7. oi nica...amei seus cachos e achei sua rotina bastante interessante,so nao entendi a mistura do pantenol com a agua. que tipo de pantenol voce usa??eu so conheço em pomada...muito obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu uso o que vende na Sabão e Glicerina
      Bjos

      Excluir
  8. A melhor coisa é quando conseguimos encontrar a rotina ideal para o nosso cabelo. Desde que comecei o lo poo, meu cabelo tem melhorado bastante e aos poucos estou aprendendo a cuidar melhor dele. Mesmo fazendo a técnica a pouco tempo, os resultados já começaram a aparecer e todo mundo comentando que meu cabelo está bonito. Me sinto muito feliz por está aprendendo a cuidar da forma correta e ver ele crescendo rápido. Engraçado que as pessoas estão me perguntando se dei "beleza natural" no meu cabelo, sempre respondo que minha beleza é natural. rs
    Aprender a cuidar do cabelo é uma descoberta muito boa!!!

    Gostei do seu texto vai ajudar para aperfeiçoar minha técnica.

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nosso cabelo natural (de verdade) sempre fica muito mais bonito do que com essas "belezas artificiais" vendidas por aí, não? rs
      Bjo, Rebeca!!

      Excluir
  9. NICA COMO VC USA OS OLEOS (JOJOBA, RICINO E EUCALIPTO) NO COURO CABELUDO, VC USA TUDO JUNTO? E QUAL A QUANTIDADE VC USA.

    ABRAÇO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posso usar tanto junto quanto separado. A quantidade da mistura vai no olhômetro mesmo, nem tenho noção de qnt uso, pra falar a verdade. No cabelo aplico meia colher de chá em cada seção (couro e fios) e mais um tiquinho nas pontas.
      Bjos!

      Excluir
  10. Obrigada, por compartilhar conosco a sua rotina!!! Conforme vamos conhecendo melhor nossos cabelos mais facil vai ficando de cuidar deles. Eu vi tua transição no Encaracoladas e gostei, serve de inspiração pra mtas meninas. Faz alguns q iniciei a transição, meu cabelo já cresceu um pouco e está cada vez melhor. Mas ainda tenho uns Day After ruins por conta do cabelo curto (acordo com eles bem amassados) e ainda nao dá pra dormir com ele preso. E por isso faço co-wash quase todos os dias. Mas penso q poderia ser bem pior,rs.

    Petala

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Petala, é assim mesmo... Demora um tempo pra gente se adaptar ao cabelo e descobrir as melhores formas de arrumá-lo... Mas tudo faz parte da descoberta :)
      Bjos!

      Excluir
  11. *** Deletei por engano o comentário do Anônimo... Copiei e colei aqui abaixo ***

    Nica, quando vc opta para usar o cabelo solto vc faz algum day after ou finalizador (como oleo ou cond/leave in)para manter o cabelo definido. Ou deixa ele preso o tempo todo. Vi em alguns blog que as cacheadas costumam usam leite de pentear ou umidificador de cachos ou gel e outros.

    Resposta: Meu dia de usar o cabelo solto é sempre o "dia seguinte"... O produto que uso para finalização é apenas o condicionador misturado ao óleo vegetal. O dia seguinte se resume a arrumar os cachos que estiverem mais desmanchados com um pouco deste condicionador da finalização.

    Bjos!

    ResponderExcluir
  12. Nica entro sempre no seu blog e já adquiri várias dicas que vc passa aqui na minha rotina "cabelistica".Parabéns pelo blog! Gostaria d aproveitar o passo a passo da sua rotina para tirar uma dúvida: Vc saberia me dizer se o uso do óleo de rícino no couro cabeludo pode causar algum tipo de alergia? Pergunto pq usei durante uns dois meses de boa até que tive um acesso de coceira e queda de cabelo absurda. Vc conhece alguém q tenha tido o msm problema? Bj e aguardo ansiosa sua resposta...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, mas que coisa chata! :(
      Isso nunca aconteceu comigo e tb não sei de caso parecido...
      Pode ser que vc tenha uma sensibilidade específica este óleo, então melhor optar por outro... Alergias são assim mesmo, tudo parece correr bem até que uma hora ela explode.
      Ou será que o seu óleo não era 100% vegetal? Tem óleo de rícino que vem misturado com óleo mineral, fique de olho!
      Bjos! Obrigada pela visita e boa sorte com os óleos

      Excluir
    2. Não sei viu Nica, mas p falar a vdd pensei nessa possibilidade, apesar de ter comprado o óleo atrevés do Sabão e glicerina que é super indicado nunca tem cm ter 100% de certeza que é puro. Mas d qq forma obrigada. Bj

      Excluir
  13. Eu utilizei a técnica LOC ontem. Mas no L só água (não deu tempo d comprar o dpantenol). Foi difícil d passar o rícino pois o cabelo grudava todo na mão. Resultado: Acabei passando muito óleo e depois d seco, o cabelo ficou pesado e com cheiro forte d óleo, porém, bem macio. Nica, sabe me dizer se a dificuldade em distribuir o óleo d rícino foi por causa d eu ter pulado a primeira etapa d hidratação? Ou é assim mesmo q acontece?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O óleo de rícino é realmente mais complicado de passar pq ele é grossinho. Vc pode tentar misturá-lo em outro óleo, mais fininho, tipo de amêndoas, p/ diluir um pouco. Ou então já optar por um óleo que seja fininho e usar puro. Eu já uso óleo de rícino há bastante tempo, então acho que já peguei a prática, rs. Mas no começo é complicadinho assim mesmo.

      Excluir
  14. Seu cabelo é simplesmente LINDO!!!! Estou na fase de transição e às vezes me dá um desânimo... aff... mas enfim, é assim mesmo. De vez em quando (quase todo dia kkkk) dou uma olhada nos seus cachos pra ver se eu não desisto nessa caminhada! (Tomara que os meus fiquem ao menos parecidos com os seus! haha)

    Beijos!

    Sarah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sarah! Obrigada pelos elogios!
      A transição é difícil, mas o resultado dela é sempre uma vitória! Tenho certeza que seu cabelo vai te surpreender :)

      O óleo vegetal eu misturo apenas na quantidade de condicionador que vou usar na hora, nunca no frasco todo de uma vez.

      Bjos e boa sorte!

      Excluir
  15. Ah, e como deve ser misturado o óleo vegetal no condicionador? Pode ser colocado direto no vidro ou deve ser misturado aos poucos, à medida que a gente for usando?

    Sarah

    ResponderExcluir
  16. Oi Nica! To lendo tudo, to viciada em cachos!!
    Queria saber a proporção do L do LOC: qt de água, qt de pantenol e qt de glicerina?? O pantenol pode ser o bepantol??
    Mto obrigada!
    Giselle

    ResponderExcluir
  17. Giselle, obrigada pela visita!
    Eu faço minha mistura no olhômetro: uma unha de pantenol, outra unha de glicerina e um tanto de água q seja suficiente p/ molhgar o cabelo todo.
    Nunca usei bepantol, então não se te dizer se dá certo.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  18. oi nica tudo bom??fiquei interessadissima nessa sua rotina, gostaria de saber se voce volta a enxaguar o cabelo depois de coloca a misturinha do pantenol glicerina e agua, ou seja, antes de aplicar o condicionador...e outra duvida e saber qual a quantidade exata de cada produto (pantenol, agua e glicerina)??? seu cabelo e lindo.

    ResponderExcluir
  19. Oi Nica estou amando seu blog!!!!
    onde vc encontrou o shampoo da Surya Amazônia preciosa?
    eu sou do Rio de Janeiro!!!


    bjsssss

    ResponderExcluir
  20. Nica, muito obrigada por dedicar seu tempo pra compartilhar suas experiências que encorajam tantas pessoas a se redescobrirem, já que essa transição não acontece só no nosso exterior!

    Iniciei minha transição há 9 meses, mas sem conhecer nada dessas técnicas, que só vim começar a praticar no/low poo de 2 mês pra cá, mas como posso pq moro em uma ilha e não tenho acesso a variedade de produtos. Tenho cortado a parte alisada em casa, e mesmo seguindo os tratamentos, fico analisando minha raiz e ás vezes duvido que meu cabelo vá anelar... Percebo que ele se assemelha muito o seu nessa sua foto do antes, assim como algumas partes já se parecem com o seu cabelo atual, (o que me anima muito!).
    Gostaria de saber se seu cabelo foi se modificando com o tempo e com os tratamentos, ou conforme foi crescendo e pesando?
    Muito obrigada mais uma vez, com certeza você me inspira muito!

    Um super beijo, Amanda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amanda, foi se modificando sim, por todos esses fatores: tempo, comprimento, tratamento, não mexendo em time q está ganhando (ou seja, sem experimentar mil coisas e me atendo àquilo que está dando certo).
      O mais importante é você curtir o cabelo que você tem, seja ele anelado, encaracolado, encarapinhado, cacheado... Todos os cabelos são lindos e cabelo natural te abre muitas possibilidades. Basta você conhecê-lo e buscar informações que se adequem ao seu tipo específico.
      Bjos, muito obrigada pela visita!

      Excluir
  21. Muito obrigada pela resposta!
    Já estou curtindo muito meu cabelo assim, e se a tendência é melhorar, vou ficar mais atenta e sei que vou ficar feliz com o resultado!
    Beijos

    ResponderExcluir
  22. Como eu faço pr meu CABELO ficar mais cachiado pq ele é mt crespo msm.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Roberta, nosso cabelo se modifica até certo ponto quando é devidamente tratado, mas pra modificar estrutura só apelando para químicas, que são arriscadas, na maioria das vezes. O que realmente importa é aprender a lidar com o cabelo que se tem, do jeito que ele é :)
      Bjos

      Excluir
  23. Seu cabelo é lindo, flor! parabéns! finalmente descobri os segredos de tamanha beleza! rs

    ResponderExcluir